O assunto deste post é bem importante e traz um alerta: é preciso ficar atento aos sintomas da pneumonia, uma infecção pulmonar que, quando mais leve, possui sinais semelhantes a uma gripe ou resfriado. Se a pneumonia não for devidamente tratada, pode tornar-se uma condição que gera risco de vida, especialmente no caso de bebês e crianças, pessoas com mais de 65 anos de idade, com problemas de saúde ou com o sistema imunológico debilitado.

Ao longo do inverno, os casos de pneumonia ficam mais comuns. Por isso, separamos as complicações que ela pode causar, os métodos preventivos e os sintomas que não devem ser ignorados.

 

Conheça os principais sintomas da pneumonia

Os sintomas da pneumonia variam de leves a graves. Isso difere de acordo com fatores como o tipo de germe causador da infecção, a idade e a saúde geral da pessoa. Os sinais e sintomas leves, geralmente, são semelhantes aos de um resfriado ou de uma gripe. No entanto, persistem por mais tempo. Entre os mais comuns estão:

  • dor no peito ao respirar ou tossir;
  • confusão ou alterações de consciência (em adultos com 65 anos ou mais);
  • tosse com muco;
  • fadiga;
  • febre, sudorese e calafrios;
  • temperatura corporal abaixo da normal (em adultos com mais de 65 anos e pessoas com sistema imunológico debilitado);
  • náusea, vômito ou diarreia;
  • falta de ar.

 

Quando procurar um médico?

Não hesite em procurar atendimento médico ao sentir dificuldade em respirar, dor no peito, febre contínua (39°C ou mais) e tosse persistente. Essa atitude é essencial para identificar e tratar a pneumonia em tempo hábil, evitando condições mais graves.

Para ter ideia do quanto a ajuda médica é importante, mesmo com o tratamento, algumas pessoas com pneumonia, especialmente as que integram os grupos de alto risco, podem apresentar complicações, incluindo:

  • bactérias na corrente sanguínea que podem espalhar a infecção para outros órgãos, causando potencialmente a falência deles;
  • hospitalização e uso de aparelhos de respiração, se a pneumonia for grave ou o paciente tiver doenças pulmonares crônicas;
  • acúmulo de líquido ao redor dos pulmões, sendo necessário dreno ou cirurgia para retirá-lo.

 

Como prevenir a pneumonia?

Diariamente, é possível colocar em prática algumas atitudes que contribuem para prevenir o surgimento da pneumonia. Listamos abaixo quatro ações principais que são bem fáceis de adaptar à sua rotina.

1) Converse com seu médico sobre as vacinas existentes. Existem algumas vacinas que podem ajudar a prevenir alguns tipos de pneumonia e gripes. Pelo fato de as diretrizes de vacinação mudarem com o tempo, é bem importante verificar com seu médico se as suas vacinas estão em dia e se existe alguma complementar que você deva aplicar.

2) Tenha bons hábitos de higiene. Para ficar distante de infecções respiratórias que, às vezes, levam à pneumonia, lave as mãos regularmente e tenha sempre por perto um produto de higiene para as mãos, que seja à base de álcool.

3) Não fume. Fumar prejudica as defesas naturais dos pulmões, deixando-os mais suscetíveis a infecções respiratórias.

4) Mantenha o sistema imunológico forte. Preze por boas noites de sono, pratique exercícios físicos regularmente e mantenha hábitos alimentares saudáveis.

Além de contribuir para prevenir a pneumonia, cada um dos cuidados acima são decisivos para evitar uma série de outras complicações e doenças crônicas.

Agora que você já sabe sobre a importância de estar atento aos sinais e sintomas do seu corpo, ao perceber algo que fuja do normal, procure atendimento médico. O Sidesc conta uma ampla rede credenciada para que você consiga ser atendido sem demora e com qualidade. Encontre o profissional mais próximo de você e mantenha a sua saúde sempre em dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *